Obras no Palácio de Santos [fr]

O Palácio de Santos, também chamado Palácio de Abrantes, é propriedade da Embaixada de França em Portugal desde 1909. Considerado como uma das mais belas embaixadas de França, o palácio é alvo de uma manutenção contínua por parte do Ministério francês dos Negócios Estrangeiros que persiste em solucionar problemas que surgem constantemente num edifício cuja história remonta ao século XII.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e a Embaixada de França têm recorrido, desde há alguns anos, ao contributo do Arquitecto-Chefe dos Monumentos Históricos, François Chatillon, encarregado, em França, nomeadamente do Grand Palais e do Châteaux de Voltaire em Ferney-Voltaire. O Arq° François Chatillon, a quem havia sido solicitado um relatório sobre o Palácio de Santos para se definirem as obras a efectuar, realçou a importância de se proceder rapidamente a uma renovação dos telhados.

As despesas efectuadas com a totalidade das obras abaixo discriminadas foram suportadas pela França.

Renovação dos telhados

Depois das obras realizadas, em 2011, no relvado, no jardim e nas cozinhas, foi iniciada uma nova fase de obras em 2014-2015 com vista à substituição dos telhados das partes mais antigas do Palácio: Salão de música, Salão grande, Sala das Porcelanas, Capela e Sacristia.

O objectivo era acabar com as infiltrações e limitar, assim, os danos provocados pela humidade proveniente do telhado para, depois, se iniciar o restauro das pinturas interiores dos salões, que datam do século XVIII e que constituem uma das maravilhas do Palácio.

Esta intervenção de renovação dos telhados foi adjudicada por concurso europeu a 2 empresas: uma portuguesa, Alexandre Borges Barbosa – ABB, para a construção e colocação de andaimes; a outra francesa, COANUS, através da sua filial especializada em monumentos históricos para obras de cobertura.

As obras permitiram:

  1. Constatar que as vigas estavam em bom estado (análises realizadas em 2013 concluíram a inexistência de problemas de estrutura de todo o edifício)
  2. Colocar novas telhas, seleccionadas e fabricadas em Portugal, em conformidade com as normas previstas para um palácio português
  3. Instalar caleiras em cobre, mais apropriadas para impedir as infiltrações e a erosão do tempo
  4. Proceder ao isolamento térmico dos salões, no âmbito da “Embaixada Verde” iniciada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros

As obras terminaram em Junho.

As obras são também uma ocasião para testar produtos com vista à renovação das fachadas do edifício.

Recepção oficial por ocasião da conclusão das obras do Palácio de Santos

A exposição das porcelanas (realizada por ocasião da renovação dos telhados).

Para as obras nos telhados foi necessário retirar e depositar a excepcional colecção de porcelanas chinesas da Embaixada, embutida, há mais de 400 anos, num tecto piramidal em talha dourada.

Com a colaboração do Ministério dos Negócios Estrangeiros, do Museu Guimet de Paris e da Fundação Millennium BCP, da AXA e da Cofidis, a Embaixada de França e o Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa decidiram expor, durante três meses, 58 dos mais extraordinários pratos de porcelana desta colecção , sob a direcção de dois comissários portugueses de exposições, Maria da Conceição Borges de Sousa e Rui André Alves Trindade, com o apoio de Huei-Chung Tsao, do Museu Guimet.

Este evento, que se prolonga até 31 de Maio de 2015, permitiu mostrar ao grande público peças de porcelana chinesa que, desde a sua chegada a Portugal, nunca tinham saído do Palácio.

Paralelamente, o Ministério dos Negócios Estrangeiros financiou a limpeza e o restauro das porcelanas, a cartografia do tecto, a conservação do tecto da Sala das Porcelanas (tratamento e limpeza da madeira, recuperação das policromias) – obras que foram confiadas a uma conservadora portuguesa, Conceição Ribeiro (empresa CCR), assim como a nova iluminação do tecto que será colocada.

Brevemente será elaborado um inventário fotográfico em colaboração com a Réunion des Monuments Nationaux (RMN) e com o Museu Guimet. Estas fotografias poderão facilitar futuros trabalhos de investigação, sem que haja necessidade de se aguardar por um próximo depósito das porcelanas.

Obras no interior dos salões

Tendo em vista impedir o avanço do salitre, foram efectuados, testes às paredes dos salões.

A instalação do Institut Français du Portugal

No Palácio de Santos, que dispõe de uma área de 5 000 m², funcionam todos os serviços da Embaixada, incluindo a Secção Consular. Tendo em conta a restruturação em curso dos serviços culturais, assim como os espaços disponíveis no Palácio, as obras foram, também feitas no sentido de acolher o Institut Français du Portugal. O IFP poderá então beneficiar, para as suas actividades, da proximidade das salas de recepção da Embaixada e dos magníficos jardins que dominam o Tejo a partir de Santos.

Em resumo

O Palácio de Santos, ao fim de cinco meses de obras que mobilizaram o ateliê François Chatillon, as empresas, as equipas da Embaixada e os seus parceiros, tem uma nova cobertura. Desde o Verão de 2015, numa das suas alas igualmente renovada, o Palácio acolhe as equipas do Institut Français du Portugal com a sua nova configuração. A nova cobertura pode também ser apreciada a partir das docas do Tejo (a partir da estação de Santos).

Visita virtual ao Palácio de Santos disponível em

publicado em 30/07/2018

Princípio da página