COP23 - A França empenhada na execução do Acordo de Paris [fr]

Discurso do Presidente da República, Emmanuel Macron, por ocasião da COP23 em Bona, no dia 15 de Novembro de 2017

Leia aqui o discurso integral

.

Presidida pelas Ilhas Fiji, a 23a Conferência das Partes à Convenção-quadro das Nações Unidas sobre as alterações climáticas, a COP23 teve lugar em Bona de 6 a 17 de Novembro de 2017

A convite do secretariado da Convenção, os países participantes reuniram-se para elaborar as normas de execução do Acordo de Paris e debater sobre uma maior ambição no que respeita os compromissos nacionais em prol do clima.

Uma COP sob presidência fijiana

A COP23 é presidida pelas ilhas Fiji, primeiro pequeno Estado insular a assegurar a presidência de uma COP, e é organizada com o apoio do governo alemão, do Estado da Renânia Vestefália e da cidade de Bona.

Patricia Espinosa, Secretária-executiva da Conferência das Partes na Convenção-quadro das Nações Unidas sobre as alterações climáticas (CCNUCC), sublinhou, no dia 27 de Julho último, que “a COP23 incita a uma tomada de consciência da vulnerabilidade das ilhas e de todos os povos. Esta cimeira abre a porta a um maior acompanhamento e apoio às colectividades resilientes para uma transição rápida no sentido de um futuro alimentado por energias limpas”.

A França empenhada em prosseguir e consolidar a implementação do Acordo de Paris

Depois da adopção e da entrada em vigor do Acordo, a França continua empenhada, juntamente com países, colectividades locais, cidades, empresas, ONG e cidadãos que desejam avançar rapidamente no sentido da concretização dos objectivos do Acordo de Paris sobre o Clima.

A COP23 é um momento-chave para o prosseguimento da mobilização internacional em prol do clima, especialmente em torno das iniciativas da Agenda da acção climática mundial concluída em Marrocos por ocasião da COP22.

Diferentes actores reuniram-se em Bona para apresentar a realidade da acção em curso e para provar que é possível alcançar os objectivos do Acordo de Paris. Uma sequência completa consagrada às iniciativas da Agenda de Acção mundial para o clima foi apresentada na COP23, com jornadas temáticas sobre os sectores estratégicos para a acção climática: as energias renováveis, a agricultura, os transportes, as florestas, a gestão da água, a finança e a inovação, e foi também lançado um alerta sobre os desafios do género e os impactos da alteração climática na saúde.

Principais objectivos

A COP23 teve como principal objectivo a elaboração de normas de execução do Acordo de Paris e a definição das modalidades do diálogo facilitador de uma maior ambição climática.

  • Elaborar normas de execução do Acordo de Paris

Trata-se de prosseguir os trabalhos iniciados depois da reunião intercalar de Bona, em Maio de 2016 e durante a COP22, para preparar as decisões de execução do Acordo de Paris. O objectivo é o da adopção dessas decisões o mais tardar até à COP24, que terá lugar sob a presidência da Polónia, em Dezembro de 2018, na cidade de Katowice. São essas decisões que permitirão a total execução do Acordo de Paris por todas as Partes.

  • Aumentar a ambição dos compromissos dos Estados

Os esforços anunciados pelos países relativamente às respectivas contribuições nacionais, a montante da COP21, não são suficientes para atingir o objectivo do Acordo de Paris, isto é, para limitar o aumento global da temperatura a menos de 2°C . Para contextualizar os esforços de todos os países relativamente a este objectivo e reforçar os nossos compromissos, a presidência fijiana da COP23 concebeu, depois de consultar as Partes, o “Diálogo de Talanoa”, que consiste num diálogo participativo que terá lugar em 2018, apelando todas as boas vontades para contribuírem para o bem-estar colectivo. As modalidades desse diálogo foram concluídas durante a COP23.

Fonte: France Diplomatie

Mix energético: apresentação das principais ilações do relatório RTE

O Ministro da Transição ecológica e solidária, Nicolas Hulot apresentou a 7 de Novembro em Conselho de Ministros um documento sobre a trajectória da evolução da energia eléctrica. Trata-se de um documento baseado no relatório de gestão da rede de transportes eléctricos (RTE)

publicado em 18/01/2018

Princípio da página