CINEMA: A morte de Luís XIV de Albert Serra (12.01.2017- 30.01.2017)

A MORTE DE LUIS XIV

Avant-première du film "La mort de Louis XIV" à la Cinemateca Portuguesa , en présence de Jean-Pierre Léaud (dans le rôle de Louis XIV) avec (à sa droite) José Costa, directeur de la Cinémathèque, et (à sa gauche) Albert Serra, réalisateur, et Joaquim Sapinho, distributeur Rosa Filmes - JPEG
Antestreia do filme “A Morte de Luís XIV” na Cinemateca Portuguesa, na presença de Jean-Pierre Léaud (no papel de Luís XIV) com (à sua direita) José Costa, Director da Cinemateca e (à sua esquerda) Albert Serra, realizador, e Joaquim Sapinho, distribuidor Rosa Filmes.

ANTESTREIA 11 de JANEIRO AS 21h30 na Cinemateca Portuguesa, com a presença de Albert Serra e Jean-Pierre Léaud.

O filme de Albert Serra "O ANO DA MORTE DE LOUIS XVI" com o actor fétiche de Truffaut, JEAN-PIERRE LÉAUD, estreia comercialmente a 12 de Janeiro e há uma série de eventos em torno de Jean-Pierre Léaud e de Albert Serra. Com cinema, exposições, instalação vídeo...

Lançamento comercial de "A Morte de Luís XIV"

A Rosa Filmes está a organizar um grande evento Albert Serra em Lisboa, em parceria com a Cinemateca Portuguesa, a EGEAC e a Galeria Graça Brandão, em Janeiro de 2017, por ocasião estreia comercial de A Morte de Luís XIV em Portugal (seis salas em Lisboa, Porto e Coimbra) no dia 12 de Janeiro, filme produzido pela Rosa Filmes com a França e a Espanha, com apoio do ICA e co-produção RTP. O lançamento nas salas será antecedido de uma ante-estreia na Cinemateca no dia 11 de Janeiro, com a presença do realizador e do actor principal.

Jean-Pierre Léaud é Luís XIV, o Rei Sol, nos últimos dias do seu reinado. Nem mesmo o poder absoluto do homem que foi o Estado, a França e o próprio Sol, escapa à condição mortal de toda a humanidade. O tempo do ator coincide com o tempo do que representa. O que ele vê, o que ele vive,é o que vêem os que o rodeiam e o que vêem os espectadores. A representação tem o realismo de um documentário sobre isso mesmo que todos nós vemos e um dia viveremos. É o realismo imanente dos corpos filmados por Serra.

O filme esteve presente na Selecção Oficial do festival de Cannes deste ano e ganhou o prémio para melhor filme no festival de Jerusalém, bem como o prémio Jean Vigo em França, que distingue anualmente o melhor realizador emergente. Jean-Pierre Léaud foi distinguido com a Palma de Ouro de Honra, prémio de carreira do festival de Cannes, também deste ano.

Performance "Roi Soleil" na Galeria Graça Brandão
Na Galeria Graça Brandão, com a curadoria de Alexandre Melo, Albert Serra apresentará em estreia mundial uma performance com Lluís Serrat (o emblemático actor que interpreta Sancho Pança em Honra de Cavalaria, um dos reis magos em O Canto dos Pássaros e o criado de Casanova em História da Minha Morte), no lugar de Jean-Pierre Léaud, no lugar de Luís XIV, com o nome “Roi Soleil”, que inaugura a 13 de Janeiro, sexta-feira.

Diz a nota do curador que: "Por vezes a ordem natural das coisas do Poder e da Arte deixa-se perturbar por uma presença: a presença viva de um ser mortal. A eterna presença da morte. Do mesmo modo que a Terra e todos os humanos giram à volta do Sol, todos os súbditos giram à volta do Rei Sol, todos os visitantes dos mundos da arte giram à volta do Génio de um Artista."

O filme A Morte de Luís XIV é o ponto de partida para esta exposição, numa galeria que é também um fosso onde está um homem que, aqui, é mais que um homem, e nos inflige o sentimento vivo da nossa própria mortalidade. Com a exposição "Roi Soleil", Albert Serra combina pela primeira vez performance, imagens e objetos e, prosseguindo a sua reflexão artística radical.

Ciclo Jean-Pierre Léaud na Cinemateca Portuguesa
Durante praticamente todo o mês de Janeiro decorrerá um ciclo dos filmes protagonizados por Jean-Pierre Léaud na Cinemateca Portuguesa, entitulado "As Aventuras de Jean-Pierre Léaud. A programação começa no dia 3 Janeiro, com a sua estreia como Antoine Doinel no mítico Os 400 Golpes (1959) de François Truffaut.

Encarnação, no ecrã e fora dele, daquilo a que Serge Daney chamou "as terríveis aventuras do cinema moderno", actor moderno, na medida em que se impõe pela sua presença e o seu comportamento mais do que pelas técnicas tradicionais de representação, Jean-Pierre Léaud é uma presença-chave no cinema dos anos sessenta e início dos setenta.

Filmes: Les 400 Coups (1959, Truffaut), Antoine et Colette (1962, Truffaut), Baisers Volés (1968, Truffaut), Domicile Conjugal (1970, Truffaut), Masculin Féminin (1966, Godard), Porcile (1969, Pasolini), Le Père Noel a les Yeux Bleus (1966, Eustache), La Maman et la Putain (1973, Eustache), Les Deux Anglaises et le Continent (1971, Truffaut), La Concentration (1968, Garrel), Une Aventure de Billy le Kid (1971, Moullet), Paul (1969, Medveczy), Le Pornographe (2001, Bonello), Made in USA (1966, Godard), I Hired a Contract Killer (1990, Kaurismaki).

Instalações no Palácio Pombal
No Palácio Pombal, no Bairro Alto, haverá uma retrospectiva completa das instalações de Albert Serra, com a curadoria de Alexandre Melo: Els Tres Porquets (2012) e Singularity (2015), que apresentou na dOCUMENTA (13) de Kassel e na Biennale de Veneza, e Els Noms de Crist (2010), apresentada no Festival de Locarno, todas mostradas pela primeira vez em Portugal.

Singularity é uma instalação vídeo em 5 ecrãs, sobre "as transformações tecnológicas, a eterna desmesura do desejo de ouro e da ganância sexual, a fragilidade das presenças e sentimentos humanos e das precárias histórias dos momentos que os unem e afastam". Com a duração de 100 horas, e filmado ao longo de 100 dias, Els 3 Porquets é um estudo sobre a cultura alemã, através de três das suas figuras: Goethe, Hitler e Fassbinder. Els Noms de Crist parte de uma peça do século XVI, de Frey Luis de Léon, e foi descrita como "uma obra sobre a dificuldade de nomear e representar visualmente conceitos abstractos".

Haverá ainda a estreia de uma nova peça vídeo criada para este acontecimento, na Sala Azul, sala da entrada do primeiro andar deste notável edifício de decoração barroca, palácio da família Pombal, residência do marquês durante a sua ascensão política, até ao terramoto de Lisboa. A inauguração de todo o espaço será no dia 13 de Janeiro.

Marcelo Rebelo de Sousa, Président de la République portugaise, a remis les insignes de Commandeur de l'Ordre du Mérite à Jean-Pierre Léaud, acteur - JPEG

- O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa condecorou, no dia 12 de Janeiro, o actor francês Jean-Pierre Léaud com a Ordem de Mérito, grau de Comendador.

publicado em 02/02/2017

Princípio da página