Adido de Segurança interna [fr]

A DIRECÇÃO DA COOPERAÇÃO INTERMNACIONAL (DCI)

JPEG

Primeira direcção comum polícia-“gendarmerie” nacionais, a Direcção de Cooperação Internacional (D.C.I.) concretiza a aproximação das duas instituições de segurança interna.
A Direcção da Cooperação Internacional (D.C.I.) foi criada a 1 de Setembro de 2010. Reúne polícias e “gendarmes” que trabalham lado a lado e concertadamente, para a cooperação internacional implementada pelo Estado para proteger melhor os seus cidadãos e os seus interesses.

Qual a razão desta junção?

Diferentes ameaças, como o terrorismo, o tráfico de droga ou a cibercriminalidade surgem fora das nossas fronteiras. Para as combater, a cooperação entre países deve intensificar-se. Para isso, a rede de Adidos de Segurança Interna (A.S.I.), composta por 250 polícias e “gendarmes” colocados em 92 embaixadas e cobrindo 156 países, constitui um factor importante.

Antes da criação da D.C.I., os polícias franceses expatriados eram geridos pelo S.C.T.I.P (Serviço de Cooperação Técnica Internacional de Polícia) e os “gendarmes” pela S/DCI (Subdirecção da Cooperação Internacional da “gendarmerie” nacional).

Quais os seus objectivos?

Participar na execução da estratégia internacional do ministério e na aplicação da política externa da França em matéria de segurança interna. Desenvolver e coordenar as cooperações operacionais, técnicas e institucionais da polícia e “gendarmerie” nacionais, à excepção das questões que são da exclusiva competência dos serviços de informação. Para assegurar as suas missões, a D.C.I. apoia-se num departamento central e nos serviços descentralizados implantados no estrangeiro, nos Serviços de Segurança Interna (A.S.I.), nos polícias e “gendarmes” em posto em diferentes regiões.

JPEG

O SERVIÇO DE SEGURANÇA INTERNA EM PORTUGAL }

1/ Missões
O Adido de Segurança Interna é conselheiro do Embaixador para todas as questões relativas à segurança interna. Desenvolve e coordena, com o seu assistente técnico, a cooperação bilateral de polícia.
O SSI pode conceder a sua experiência e colaboração à polícia e “gendarmerie” assim como às autoridades encarregadas da segurança aeroportuária. É igualmente responsável pelas acções de cooperação em matéria de segurança civil em benefício do Centro das Operações de Socorros de Protecção Civil (COSEP).

2/ O Adido de Segurança Interna (A.S.I.)
Dispõe do estatuto diplomático e implementa a cooperação em matéria de segurança definida pelo Ministro do Interior segundo as orientações gerais da nossa política externa. É simultaneamente conselheiro do embaixador e interlocutor privilegiado das autoridades de polícia locais, o ASI é, na sua missão no estrangeiro, o representante da polícia e “gendarmerie” nacionais. Propõe e executa os programas de cooperação, participa na missão de assistência à comunidade francesa residente e contribui, pela sua acção, para a segurança interna da França. No exercício das suas atribuições, é coadjuvado em Portugal por um oficial de ligação da polícia nacional. Desenvolve e coordena todas as actividades do serviço.

3/ O SSI em Portugal

  • Adida de segurança interna,
  • Oficial de ligação,
  • Secretária-assistente

Courriel : dci.portugal@yahoo.fr

publicado em 13/03/2017

Princípio da página